domingo, 19 de outubro de 2008

xapilô-do-à live @ moca

video

Quem nunca ouviu o xapilô-do-à cantado (???) pelo Russo não sabe o que perde.

Atenção à interpretação (bom, mais ou menos...) memorável dum hit dos Pink Floyd na parte final do video...

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Prémios IgNobel 2008










Com atraso, mas aqui vai a posta:

Dia 3 de Outubro último, no Sanders Theatre da Universidade de Harvard, e perante 1200 pessoas, realizou-se a cerimonia de entrega dos prémios IgNobel 2008.


Atribuídos anualmente pela revista humorística “Annals of Improbable Research” (cujo logótipo é a imagem supra), os IgNobel “honram façanhas que primeiro nos fazem rir e depois pensar” e vão já na sua 18ª edição. Normalmente, os galardoados são investigadores, cujos trabalhos foram publicados em revistas de grande prestígio internacional.

Do site http://www.apm.pt/, faço copy/paste das origens do prémio: Diz a lenda que os Prémios IgNobel foram criados por Ignatius (Ig) Nobel, familiar de Alfred Nobel, o provável inventor das bolhinhas nos sumos e co-inventor do Excelsior (material de embalagem feito à base de pequenas lascas de madeira). O seu fascínio por todas as coisas que faziam "pop", levou-o a estudar as bolhinhas nos sumos das garrafas. Ao fim de 17 anos de cuidadosas observações, Ig Nobel concluiu que não há duas bolhinhas que sigam o mesmo caminho ascendente. Este foi a principal proeza de Ig Nobel, que nunca foi reproduzida.


Para lá do disparate do teor das investigações e das descobertas premiadas, o que esta cerimónia tem de realmente giro é o nível elevadíssimo de humor e fair-play, como comprova a presença em pessoa da generalidade dos galardoados para receber o prémio, que é entregue por um galardoado Nobel (prémios denominados "os outros, os da academia sueca...") congénere, e agradecerem num discurso de 60 segundos, cronometrados por uma criança de 8 anos, que começa a berrar "boring !!!!" assim que o tempo é ultrapassado.
Desde 1996, a cerimónia inclui ainda uma mini-ópera, interpretada a meias entre cantores de ópera profissionais e laureados com prémios Nobel.
Aos curiosos, ou que quiserem passar uns momentos a rir, recomendo a consulta à página da revista, onde poderão aceder à lista completa desde 1991 até hoje.

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Ericeira - Gabriel Cardoso

«Praias de águas cristalinas / De areias da cor do ouro / São beijadas pelo mar / Em espuma de rendas finas / São verdadeiros tesouros / Que sempre nos faz voltar.
.
Ericeira, Onde o Mar é Mais Azul / Nas belas praias do sul / De doirada e fresca areia / Ericeira, és tão bela e tão formosa / No desabrochar de uma rosa / Em noites de lua cheia.
.
Entre as suas tradições / Santa Marta junto ao mar / Envolve rubros poentes / Em tardes feitas serões / No seu parque a brincar / Mil crianças sorridentes.
.
Ao partir para o exílio / Da Praia dos Pescadores / Dessa adorada Ericeira / D. Amélia pede auxílio / Dão-lhe carinho e flores / E a fuga numa traineira.»